58% dos brasileiros não trocam suas senhas com frequência

A Kaspersky em parceria com a CORPA mostra que 58% das pessoas no Brasil utilizam as mesmas chaves por um longo período, número que relembra a necessidade de rever as senhas existentes e criar outras mais seguras para evitar qualquer fraude em e-mails, rede sociais ou até contas bancárias. Segundo a Kaspersky, esses códigos não estão seguros se puderem ser descobertos por força bruta ou até encontrados em um banco de dados de senhas vazadas.

Os analistas da empresa de cibersegurança apontam três medidas simples, mas eficazes, para melhorar a defesa dos dados pessoais e melhorar as senhas:

• Senhas fortes: Já se sabe que senhas fortes podem melhorar o nível de defesa de dados pessoais. Mas o que uma chave deve ter para ser robusta contra possíveis ciberataques? Os especialistas da Kaspersky recomendam que eles tenham um mínimo de 10-12 caracteres e que incluam números, algumas letras maiúsculas e símbolos. Além disso, eles aconselham evitar sequências como ‘1234’, já que elas podem ser hackeadas em apenas alguns segundos. Os gerenciadores de senhas são muito úteis para criar combinações fortes e únicas. Entre as senhas mais utilizadas e desencorajadas, destacam-se ‘qwerty’, ‘123456’ ou ‘1111’.

• Use chaves diferentes: É comum que os usuários tenham a mesma senha para contas diferentes. Isso é um erro, já que uma vez que os cibercriminosos tenham obtido a chave, eles terão acesso a todas as contas que ela protege. Por esse motivo, é importante ter uma chave diferente em cada perfil. Nesse sentido, gerenciadores de senhas como o Password Manager também são muito úteis para armazenar todos eles com segurança.

• Altere senhas periodicamente. Segundo especialistas, é aconselhável variar as chaves a cada três meses. Com isso, os usuários podem evitar que, em caso de roubo ou perda, os cibercriminosos possam utilizá-lo por um longo período, com a consequência de maiores prejuízos para a vítima. Caso a senha seja forte e única, a troca periódica não é necessária, porém é essencial que sejam aplicadas restrições antes dessa proteção, com o objetivo de que a senha não seja a única barreira entre um golpista e o dado que ele busca.

• Autenticação de dois fatores para fortalecer a proteção. Além de senhas fortes e exclusivas, esse sistema adiciona uma camada extra de segurança ao exigir duas formas diferentes de verificação de identidade antes de permitir o acesso a uma conta. Ao usar esse método, os cibercriminosos não poderão acessar as contas dos indivíduos sem um código único, protegendo-os em caso de vazamento de senha.

• Verifique se a senha foi comprometida. Outra ideia é sempre testar a eficácia das senhas, já que pode haver vazamentos em uma brecha de segurança. Existem várias opções para verificar se nossa senha ainda é segura, mas a mais recorrente é ir a sites especializados que, apenas digitando o endereço de e-mail, podem fornecer essas informações.

Tags

Compartilhe

SUPER LANÇAMENTO - GBIC DA INFO M SOLUTIONS - DANILO MACHADO
ESTRATÉGIAS FINANCEIRAS PARA PROVEDORES DE INTERNET - PROSPER CAPITAL
VENDAS, LIDERANÇA E MARKETING PARA SEU PROVEDOR - NOBERTO LULU
MITOS & VERDADES - NOVOS SERVIÇOS PARA ISP COM A CDNTV
VALE A PENA OFERECER PLANO DE 1GIGA? - ASAP TELECOM
MERCADO DE BANDA LARGA 2024 - REVISE SUA ESTRATÉGIA
HUAWEI eKIT É NA CELETI - KIT INCRÍVEL PARA O SEU PROVEDOR
UNBOXING SERVIDOR DELL R630 - ANEXA TELECOM
FUTEBOL, SAMBA E AMIGOS - EXPOISP OLINDA - DIA 03
SEGUNDO DIA NA EXPOISP - FOI MUITO PRODUTIVO