vivo-busca-registro-proprio-de-fintech-no-banco-central

Vivo busca registro próprio de fintech no Banco Central

Crédito: Freepik

A Vivo vai solicitar ao Banco Central licença para atuar como fintech. A companhia quer ser uma Sociedade de Crédito Direto (SCD). Com isso, poderá criar produtos de crédito e comercializá-los diretamente aos clientes, sem necessidade de intermediários. Atualmente, a companhia utilizar soluções whitelabel de outras empresas na oferta de seus produtos financeiros.

Segundo o presidente da companhia, Christian Gebara, isso não significa que a Vivo deixará as atuais parcerias. “Não é isso. Com a licença, teremos mais flexibilidade e redução de custos para oferecer produtos que ainda não oferecemos”, falou durante o Vivo Day, em São Paulo. No evento, voltado a analistas de mercado e à imprensa, executivos da empresa trouxeram detalhes sobre os planos industriais para os próximos anos.

A seu ver, a licença sairá, sem problemas. O prazo para recebê-la, porém, é longo. A análise leva cerca de um ano. Portanto, os serviços financeiros próprios da Vivo não serão lançados antes de 2025.

Segundo Ricardo Hobbs, diretor de estratégia e novos negócios da Vivo, por meio da licença SCD a companhia poderá oferecer o chamado “PIX parcelado”, empréstimo pessoal, crédito com garantia (consignado), saque FGTS. “Todos os clientes são potenciais, da base de clientes que tipicamente não tem acesso ao mercado financeiro, a clientes do pós-pago”, afirma o executivo.

O dinheiro para garantir os empréstimos vem do próprio grupo, que já criou em 2023 um fundo com tal finalidade, no qual há mais de R$ 230 milhões em saldo.

Vivo Pay

Hobbs explicou durante o evento que a Vivo vai concentrar sua atuação financeira na marca Vivo Pay. O Vivo Money, que atualmente é utilizado para oferta de seguros a celulares, será incorporado ao Vivo Pay e, após, deixará de existir como marca.

O Vivo Pay passará a ser o hub central de finanças da empresa, concentrando todos os serviços que oferece, de crédito pessoal, seguros, e cartão de crédito.

A companhia obteve receita de R$ 403 milhões com serviços financeiros em 2023, uma alta de 36% sobre 2022. A Vivo já movimenta, em empréstimos pessoais, R$ 358 milhões. Apenas este segmento de financiamentos gerou receitas de R$ 100 milhões no ano passado.

A venda de seguros também vai bem, disse o executivo. A empresa tem mais de 500 mil smartphones segurados, e um em cada cinco aparelhos vendidos em suas lojas saem com seguro. A parceria com o Itaú para emissão de cartões também segue em expansão, afirmou Hobbs. São 241 mil clientes com cartão Vivo, e também cerca de 20% das vendas são para compradores de smartphones nas lojas da operadora.

Compartilhe

pesquisa-global-de-empreendedorismo-indica-que-empresarios-brasileiros-estao-otimistas-quanto-ao-impacto-de-ia
Pesquisa global de empreendedorismo indica que empresários brasileiros estão otimistas quanto ao impacto de IA
na-grecia,-ministerio-do-interior-e-multado-por-vazamento-de-dados-dos-eleitores
Na Grécia, Ministério do Interior é multado por vazamento de dados dos eleitores
Xbox: jogos com até 90% de desconto para Xbox One e Series S|X
Entenda os 'desvios da mente' no caminho do sofá até a academia
s&p-eleva-rating-da-brisanet-para-“braa-“,-com-perspectiva-estavel
S&P eleva rating da Brisanet para "brAA-", com perspectiva estável
mega-conclui-a-compra-da-samm-por-r$-100-milhoes
Mega conclui a compra da Samm por R$ 100 milhões
ast-spacemobile-e-verizon-fecham-acordo-de-d2d-nos-eua
AST SpaceMobile e Verizon fecham acordo de D2D nos EUA
telcomp-elegeu-conselheiros-para-o-bienio-2024/2026
TelComp elegeu conselheiros para o biênio 2024/2026
Assinantes do Meli+, do Mercado Livre, vão receber plano com anúncios do Disney+
Novo filme sci-fi da Netflix mostra São Paulo futurista; conheça Biônicos