fujitsu-lanca-mais-solucoes-de-conectividade-para-isps-e-data-center

Fujitsu lança mais soluções de conectividade para ISPs e Data Center

Fujitsu

A Fujitsu, empresa japonesa líder em tecnologia da informação e comunicação (TIC), firma aliança tecnológica com IP Infusion no Brasil e América do Sul para soluções de telecomunicações focadas em conectividade para ISPs e Data Centers. Ambas as empresas são especialistas em soluções para Networks & Communications que visam a economia de recursos, tanto financeiros, quanto energéticos.

Com o acordo, as marcas aumentam o seu portfólio de redes ópticas com o pacote de software OcNOS® (Open Compute Network Operating System), um sistema operacional de rede, de nível de operadora independente de hardware e torna a visão da desagregação total da rede mais próxima da realidade.

A oferta converge com o cenário para o setor no país. O Brasil é o país que mais investe em data centers na América Latina, sendo líder no setor na região, com 40% dos investimentos. A cidade de São Paulo foi apontada como um dos cinco mercados em ascensão mundial. Os chamados data centers abrigam milhares de racks e servidores que processam e armazenam dados de todo tipo de companhia – especialmente as gigantes da internet – do varejo ao setor financeiro.

Conectividade é fundamental para Data Centers

Segundo a consultoria Arizton, o mercado de data centers deve crescer 8,26% no País entre 2022 e 2028 e hoje já representa 50% dos investimentos no setor na América Latina. Segundo relatório da Latin America Data Center Market, a estimativa é que os investimentos em Data Center cheguem a 8.81 bilhões de dólares até 2028. Além disso, o mercado de data centers sustentáveis deve saltar dos atuais US$ 891 milhões para US$ 1,65 bilhões em 2028.

“É um mercado extremamente competitivo e desafiador. Os players precisam projetar a estratégia de conectividade para data centers e considerar diversos fatores complexos para garantir que a infraestrutura de interconexão de rede atenda às necessidades de desempenho, segurança e escalabilidade dos serviços e aplicativos hospedados”, avalia Alex Takaoka, head of Customer Engagement da Fujitsu do Brasil, que abaixo lista os principais pontos a serem observados uma estratégia de conectividade eficiente para interconexão de data centers.

Capacidade de Rede: Largura de banda é essencial. Os data centers precisam lidar com o tráfego de dados gerado pelos serviços e aplicativos hospedados. Ou, seja, garantir que haja capacidade de rede suficiente para acomodar picos de tráfego e demandas crescentes.

Latência Baixa: minimizar a latência é crítico. Não apenas para desempenho em jogos online, por exemplo, indústria que movimenta bilhões todos os dias, mas para aplicativos sensíveis como serviços financeiros. E isto tudo passa também pela escolha da operadora e até mesmo a localização geográfica e topológica do data center.

Segurança: ameaças cibernéticas como DDoS (Distributed Denial of Service) são os principais ataques utilizados por invasores. Além da implementação de firewalls, a estratégia de conectividade deve se precaver com sistemas de detecção e prevenção de intrusões (IDS/IPS), criptografia de dados e outras medidas de segurança.

Redundância e Resiliência: infraestrutura de rede redundante garante a disponibilidade contínua dos serviços. Ou seja, é fundamental a implementação de links de rede duplicados, além de roteamento inteligente para contornar falhas e backups de energia para equipamentos de rede.

Escalabilidade: toda a infraestrutura de rede dos data center precisa de estar preparada para as demandas atípicas e estar suscetível a modernizações contínuas. A demanda por dados é crescente, bem como a criação de serviços e aplicações tanto corporativas, quanto para usuários finais

Monitoramento e Gerenciamento: com recursos cada vez mais enxutos, é necessário extrair a totalidade do potencial das soluções. Um rede eficiente deve estar coberta pelos melhores sistemas de monitoramento e gerenciamento para serem capaz de, além corrigir falhas, garantir a maior disponibilidade e desempenho possível.

Custos de um DC e a estratégia de dispersão e interconexão

De acordo com o diagnóstico do MDIC, o Brasil conta com 17 provedores e 44 instalações, sendo o principal mercado de data centers da América Latina. O setor de TI e Telecom representa 5,9% da demanda de armazenamento. O maior tráfego identificado pelo estudo é do ramo de alimentos e bebidas, com 13,7%, seguido do comércio varejista e agropecuária (ambos com 9,8%). Os custos de hardware e software representam quase 62% do investimento de CAPEX de um data center no Brasil. O valor de CAPEX por MW é de R$ 53,2 milhões. Já o consumo de energia para manter o data center operando representa a maior parte dos gastos mensais: 32% do OPEX. Junto ao custo para manutenção de equipamentos, esse valor totaliza quase 58,7% da despesa por mês.

“Data centers são estruturas caras. O grande desafio destes gigantescos parques tecnológicos é terem alto desempenho, com a máxima otimização de custos, além de pensar na sustentabilidade e a forma mais harmônica e sinérgica possível com o meio ambiente”, avalia Takaoka. “Há ainda um outro ponto superimportante quando falamos de conectividade para data centers: a arquitetura de rede adotada junto às telcos, na chamada “linkagem”. Cada vez mais vemos grandes data centers, ou “hyperscalers”, adotarem uma estratégia de dispersão, onde há um core data center somado a vários data centers na borda (edge data centers), para diminuição da latência e maior capilaridade”, completa.

Contudo, entre um edge e o core data center geralmente as distâncias são curtas, e seria necessário investir em uma grande quantidade de transponders para fazer a conexão. E, lembrando, uma estrutura completa de um data center é custosa. O que fazer? É aí que entra a tecnologia de módulos ópticos plugáveis 400G ZR/ZR+, associados a roteadores whitebox, muito mais simples, acessíveis, que a dos tradicionais transponders.

Fujitsu e IP Infusion

A parceria traz para a região os produtos de Edge Network. A solução da Fujitsu consiste em um portfólio desagregado de switch/routers whitebox OcNOS, otimizado para acesso, agregação e fatiamento de rede. O portfólio OcNOS oferece desempenho de alta capacidade com escalonamento suave em um design compacto e de baixo consumo de energia. E esse portfólio, associado aos módulos ópticos plugáveis, é o que permite às empresas acelerarem sua estratégia de dispersão e interconexão de data centers, reduzindo o custo com infraestrutura na borda e ampliando sua capacidade.

“Esta colaboração permite aos proprietários de redes ainda mais abertura e escalabilidade em uma ampla variedade de casos de uso. Além disso, fornece um sistema de transporte de borda aberto, econômico e escalável e implantação da operação Cell Site Routing (CSR) com migração para transporte 4G e 5G”, explica Takaoka.

400ZR/ZR+

O desenvolvimento do padrão 400ZR pelo Optical Internetworking Forum (OIF) é um verdadeiro marco na era das telecomunicações. É o resultado de muitos anos de pesquisa e desenvolvimento de integração eletrônica e fotônica que permitiu a miniaturização de sistemas coerentes 400G em formatos conectáveis ​​menores. Com módulos pequenos o suficiente para acomodar densamente no painel frontal de switch/roteador, o setor de comunicação de dados tem a oportunidade de reduzir seus custos com esta solução ideal para interconexões de data centers de alta capacidade.

O 400ZR tem uma interface coerente com capacidade de 400 Gigabit para links ponto a ponto com baixo custo, podendo ser sintonizado em quaisquer das frequências da banda C.. A tecnologia utiliza a modulação DP-16QAM. É uma solução ideal para atender as necessidades de interconexões de data centers em distâncias até 100 Km.

O 400ZR+ é a evolução do ZR, com uma interface coerente e vários tipos de modulação que permitem transmissão a 400/300/200/100 Gigabit e integração em redes óticas amplificadas e com ROADM tendo um alcance de centenas de quilômetros.

A Fujitsu também conta com os edge routers S9510-28DC com 28 interfaces de alta velocidade, incluindo portas 400GE onde pode-se instalar os módulos ZR/ZR+. Ele também suporta os protocolos des temporização IEEE 1588v2, SyncE e TSN. É adequado para implantações internas e externas, possui recursos redundantes e hot-swap, além de maior disponibilidade, confiabilidade e menores custos de manutenção.

A IP Infusion proporciona as melhores soluções para redes abertas. São mais de 25 anos fornecendo o que há de mais avançado no mercado de conectividade para mais de 600 clientes e cerca de 10.000 implantações. A companhia é reconhecida pela maturidade de seus produtos com a tecnologia NOS para roteamento de borda e com o software de gerenciamento OcNOS, que fornece uma alternativa viável para soluções legadas, como indicado por sua base de clientes em rápido crescimento.

Todas as soluções para conectividade da IP Infusion e Fujitsu incluem ferramentas de gerenciamento centralizado. Isso permite aos administradores de rede monitorar e gerenciar facilmente toda a infraestrutura de rede do data center a partir de um único painel de controle, simplificando as operações e reduzindo a complexidade de gerenciamento.

Ajuda nas crises é tão mais forte quanto é coletiva
MERCADO DE BANDA LARGA 2024 - REVISE SUA ESTRATÉGIA
HUAWEI eKIT É NA CELETI - KIT INCRÍVEL PARA O SEU PROVEDOR
UNBOXING SERVIDOR DELL R630 - ANEXA TELECOM
FUTEBOL, SAMBA E AMIGOS - EXPOISP OLINDA - DIA 03
SEGUNDO DIA NA EXPOISP - FOI MUITO PRODUTIVO
CONCEITO DE DATA CENTER EDGE - ASAP TELECOM
O PROJETO DE ARQUITETURA DO NOSSO PROVEDOR - MULTIWAY
NOSSO PRIMEIRO DIA NA EXPOISP - TRIP 18
TRIP ESPECIAL EXPOISP OLINDA - EP17