anatel-estuda-como-notificar-usuarios-sobre-bloqueio-por-fake-news

Anatel estuda como notificar usuários sobre bloqueio por fake news

Foto: Vinicius Loures / Câmara dos Deputados
Carlos Baigorri, presidente da Anatel, explica como funciona a cooperação da Agência com a Justiça frente às fake news no ambente digital | Foto: Vinicius Loures / Câmara dos Deputados

O presidente da Agência Nacional de Telecomunicações, Carlos Baigorri, afirmou nesta terça-feira, 15, que a autarquia analisa formas de aprimorar o sistema de cumprimento de decisões judiciais para bloquear o acesso a sites ou plataformas com conteúdo de desinformação ou criminoso. Entre os ajustes em estudo estão maneiras de informar consumidores quando a falta de acesso decorre de decisão judicial.

O tema foi discutido em audiência pública das Comissões de Ciência e Tecnologia (CCT) e de Comunicação (CCom), na Câmara dos Deputados. Baigorri reforçou aos parlamentares que a Agência não é quem decide o que deve ser bloqueado ou não, mas exerce a função prevsta em lei para fiscalizar o cumprimento das determinações que são direcionadas às prestadoras. Neste trabalho, os reguladores têm ouvido queixas de consumidores que confundem a falta de acesso a determinado link com a falta de qualidade da conexão.

“Uma coisa que estamos discutindo é como fazer para que, quando isso acontecer [bloqueio de acesso], apareça uma mensagem como ‘site bloqueado por decisão judicial’, porque senão isso reflete em custo para a operadora, porque o cidadão vai ligar”, disse, o presidente da Anatel.

Fiscalização

Outro ponto de melhoria em estudo é um mecanismo de automatização e centralização dos bloqueios pelo DNS (servidor). Segundo Baigorri, a medida está sendo discutida com as empresas e o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), no âmbito dos acordos de cooperação.

“Do jeito que é feito hoje, cada um tem que implementar o bloqueio [individualmente]. Nós estamos estudando em conjunto com eles – as operadoras e o tribunal – uma maneira de fazer isso de uma forma mais centralizada, com tempo de resposta mais rápido, em poucas horas”, detalhou o conselheiro.

A mudança auxiliaria o monitoramento da Anatel diante das ações que envolvem fake news. “Estamos falando de 20 mil operadoras. Você pode ter um pequeno operador em um bairro que a gente não consegue nem avaliar se ele fez o bloqueio”, acrescentou.

Compartilhe

Ajuda nas crises é tão mais forte quanto é coletiva
MERCADO DE BANDA LARGA 2024 - REVISE SUA ESTRATÉGIA
HUAWEI eKIT É NA CELETI - KIT INCRÍVEL PARA O SEU PROVEDOR
UNBOXING SERVIDOR DELL R630 - ANEXA TELECOM
FUTEBOL, SAMBA E AMIGOS - EXPOISP OLINDA - DIA 03
SEGUNDO DIA NA EXPOISP - FOI MUITO PRODUTIVO
CONCEITO DE DATA CENTER EDGE - ASAP TELECOM
O PROJETO DE ARQUITETURA DO NOSSO PROVEDOR - MULTIWAY
NOSSO PRIMEIRO DIA NA EXPOISP - TRIP 18
TRIP ESPECIAL EXPOISP OLINDA - EP17