abrint-defende-ampliacao-de-assimetrias-em-consulta-do-pgmc

Abrint defende ampliação de assimetrias em consulta do PGMC

Em consulta do PGMC, Abrint defende ampliação de assimetrias regulatórias
Na consulta do PGMC, Abrint solicita mais regras diferenciadas para ampliar a competição na telefonia móvel (crédito: Freepik)

A Associação Brasileira de Provedores de Internet e Telecomunicações (Abrint) defende, na consulta pública para atualização do Plano Geral de Metas de Competição (PGMC), que as assimetrias regulatórias previstas para as Prestadoras de Pequeno Porte (PPPs) sejam mantidas e ampliadas. Para a entidade, regras diferenciadas para fomentar a competição também devem ser aplicadas aos mercados de telefonia móvel e secundário de espectro.

Em comunicado à imprensa, a associação ressalta que as medidas assimétricas para as PPPs permitiram “a explosão da competição no mercado de banda larga fixa, a forte evolução do mercado de provedores regionais e a ampla presença de redes de fibra óptica no interior do País”.

Desse modo, segundo a Abrint, a revisão do PGMC deve “assegurar um ambiente competitivo e equilibrado”, com foco na expansão do acesso à internet de alta qualidade em todas as regiões do território nacional.

“A Abrint apoia a continuidade desses esforços em fomentar a competição, agora também com foco no mercado móvel e no mercado secundário de espectro”, frisa a entidade.

Na consulta pública, a associação também apresentou as seguintes contribuições à Anatel:

• A necessidade de manter e estender assimetrias regulatórias para apoiar PPPs. (Item 18)
• A necessidade de consulta pública específica sobre as ofertas híbridas de conteúdo, visando evitar insegurança jurídica e promover uma regulação que acompanhe as transformações do mercado. (Item 68)
• O reconhecimento da importância da manutenção do mercado de exploração industrial de linhas dedicadas (EILD) e de medidas assimétricas para a interconexão de redes de voz. (Item 84)
• O apoio à adequação das ofertas de referência de transporte de dados em alta capacidade, reiterando a necessidade de efetiva fiscalização entre obrigações regulatórias e a prática de mercado. (Item 103)
• A defesa da inclusão de princípios norteadores para o compartilhamento de postes, com ênfase na isonomia e condições comerciais justas. (Item 107)
• A sugestão de inclusão de medidas rigorosas visando o cumprimento das obrigações regulatórias e fiscalizatórias no contexto de interconexão de rede fixa. (Item 115)
• A ABRINT também aponta a importância na precificação por valor-teto no roaming nacional bem como a manutenção das assimetrias para combater a concentração de mercado. (Item 128)

Além disso, a associação indica que é preciso ir além da Exploração Industrial de Radiofrequências (EIR), incluindo outras modalidades de acesso ao espectro. Também defende o estabelecimento de diretrizes para o mercado de redes neutras, com o objetivo de aumentar a competitividade e a inovação no setor.

A Anatel recebe contribuições à consulta do PGMC até 11 de abril.

Ajuda nas crises é tão mais forte quanto é coletiva
MERCADO DE BANDA LARGA 2024 - REVISE SUA ESTRATÉGIA
HUAWEI eKIT É NA CELETI - KIT INCRÍVEL PARA O SEU PROVEDOR
UNBOXING SERVIDOR DELL R630 - ANEXA TELECOM
FUTEBOL, SAMBA E AMIGOS - EXPOISP OLINDA - DIA 03
SEGUNDO DIA NA EXPOISP - FOI MUITO PRODUTIVO
CONCEITO DE DATA CENTER EDGE - ASAP TELECOM
O PROJETO DE ARQUITETURA DO NOSSO PROVEDOR - MULTIWAY
NOSSO PRIMEIRO DIA NA EXPOISP - TRIP 18
TRIP ESPECIAL EXPOISP OLINDA - EP17