Telebras quer atuar como integradora de soluções satelitais para governo

O presidente da Telebras, Frederico Siqueira Filho, disse hoje, 02, que quer transformar a estatal em uma integradora de soluções satelitais para os projetos de conectividade do Governo Federal. Para isso, já começa a negociar com as demais empresas estrangeiras de satélite que possuem constelações que irradiam no Brasil. Preferencialmente, explicou, irá buscar as empresas que têm satélites em órbita geoestacionária, pois é a expertise maior da Telebras, com o seu SGDC, mas nada impede que procure também a oferta das demais constelações, como as de órbita Leo e órbita baixa, como a que atua a Starlink.

Siqueira disse também que o GESAC – o programa de conectividade do Ministério das Comunicações – irá oferecer mais oito mil pontos de acesso, além dos 20 mil já contratados, e já está migrando para a oferta de maiores velocidades que variam de 20 a 60 Mbps.

Além de integradora, a Telebras pode também ter mais presença nos órgãos públicos federais e, para isso, Siqueira começa a conversar com Dataprev e Serpro para que esses dois birôs estatais, que ganham maior protagonismo no governo Lula, passem a contar com a infraestrutura do data center da Telebras e seus serviços de nuvem, também para a prestação de serviço de TI.  A Telebras tem um data center com a certificação TIER IV, o primeiro no setor público brasileiro.

” A Telebras tem condição, sim, de colocar a sua infraestrutura à  disposição do governo. Poderá ser a provedora de infra de telecomunicações para a Administração Pública Fedeal. Temos 30 mil quilômetros de fibra e satélite com mais de 20 mil pontos conectados”, afirmou ele.

O papel de protagonismo dos dois birôs foi um dos temas tratados no TechGov Fórum, realizado hoje em Brasília. Segundo o presidente do Serpro, Alexandre Amorim, portaria do Ministério da Gestão publicada no ano passado, que estabeleceu o modelo de contratação de software e de serviços de computação em nuvem do governo e que ainda gera muitas dúvidas no mercado privado, não indica que as duas empresas irão trabalhar sozinhas, até porque isso seria impossível.

” As empresas querem trabalhar de forma unida, mas com participação e diálogo com o mercado. Tem espaço para todos”, afirmou.

Gustavo Rabelo, CEO da EDS, assinalou, por sua vez, que entre os diferentes papeis que o Estado assume, não existe apenas o papel de comprador de tecnologia, mas também de indutor. “Os Estados sempre fizeram a classificação do que são dados críticos, de soberania nacional, com relevância necessária para que a política de Estado assegure essa classificação”, afirmou.

 

O post Telebras quer atuar como integradora de soluções satelitais para governo apareceu primeiro em TeleSíntese.

Tags

Compartilhe

Windows 11 agora exibe anúncios de apps dentro do Menu Iniciar
Veja dicas de como economizar na compra de eletrodomésticos
Diretor de Guerra Civil já fez quatro ótimos filmes de ficção científica! Veja quais
Home office: 102 vagas para trabalho remoto internacional [24/04]
Ações do Brasil para expandir telecom podem ser adotadas em qualquer país
Satélite da Telebras será usado para antecipar metas do governo de inclusão digital
Incentivo estatal pode viabilizar negócios de ISPs brasileiros na África
Todas escolas de ensino básico em cidade na Paraíba tem acesso à internet
Astrônomos celebram o 34º aniversário do Telescópio Hubble: Um olhar sobre suas conquistas e futuro
Ator de GTA V chegou a gravar conteúdos para DLC cancelado pela Rockstar