Aquino poderá negar poder de voto a integrantes do Gape

O Grupo de Acompanhamento do Custeio a Projetos de Conectividade de Escolas (GAPE) ganhou um novo a item em seu regimento interno, determinando que o presidente poderá impedir seus integrantes de votarem caso entenda que existe conflito de interesse em alguma deliberação.

O item, acrescentado ao artigo 11 do regimento, diz:

Art. 11. […]

Parágrafo único. Nos casos em que o Presidente do GAPE vislumbrar potencial conflito de interesse nas deliberações, os membros de que trata o inciso IV do art. 3º deste Regimento não terão direito a voto.”

O novo texto altera, portanto, o artigo que previa a tomada de decisão por consenso, prevalecendo a posição do presidente em caso de divergência.

A inclusão do artigo se deu a partir de proposta do próprio presidente do Gape, Vicente Aquino, que a aprovou na reunião de ontem do grupo, após abstenção dos demais participantes. A portaria da Anatel foi publicada hoje, 2, no Boletim Eletrônico da agência.

Na avaliação de Aquino, as operadoras que compraram a faixa de 26 GHz no leilão de espectro de 2021 não deveriam ter poder de voto no Gape. A seu ver, o grupo foi criado para fiscalizar a EACE, entidade que recebeu os recursos do leilão para conectar escolas.

“Como entidades que compõe a Eace, entende-se que as empresas Algar Telecom S.A., Claro S.A., Telefônica Brasil S.A. e TIM S.A. não deveriam participar das deliberações do Gape que se destinam a fiscalizar a Eace, tampouco nas que se destinam a disciplinar como essa entidade deve proceder em determinadas situações. A participação dessas empresas nessas situações poderá ensejar conflito de interesse entre as decisões do Grupo e seus direcionamentos na Eace”, escreve Aquino no documento que justifica a alteração.

Auditoria do triênio

A mudança acontece após Aquino converter em diligência proposta da EACE para contratação de uma autoria que vai acompanhar os números da entidade pelos próximos três anos. A proposta trouxe valores de quatro empresas, com preços que variam de R$ 279,8 mil a R$ 3,6 milhões, e recomenda a contratação da BDO, de menor preço.

O presidente do Gape, no entanto, não aprovou a sugestão. Pediu mais informações, convertendo a deliberação em diligência, diz ata da reunião de 23 de fevereiro, acrescentada hoje ao processo. A diligência ainda não terminou.

A empresa que realizou os trabalhos até 2023 foi a Mendes Auditoria. Esta foi cotada e apresentou o valor mais elevado, de R$ 3,6 milhões. As empresas Grant T. e IPAB apresentaram preços intermediários. Consultadas, PwC, Deloitte, EY e Irko não enviaram proposta à EACE. Os dados constam de apresentação disponível no site da Anatel.

O post Aquino poderá negar poder de voto a integrantes do Gape apareceu primeiro em TeleSíntese.

Tags

Compartilhe

10 notícias de tecnologia para você começar o dia (19/04)
Netflix supera expectativas em lucro e número de assinantes no começo de 2024
Telcomp: clientes das prestadoras regionais não são de segunda classe
Netflix tem alta de quase 80% no lucro e base de assinantes chega a 270 milhões
Nokia faz parceria e cria celular para amantes de cerveja; veja como funciona
Meta Llama 3 será executada em dispositivos com chips da Qualcomm
Para a Cisco, chegou a vez da segurança em todo lugar
Pesquisa aponta a necessidade de modernização dos escritórios para estimular trabalho presencial
Núclea adquire sistema de seguros da CERC e ingressa no mercado de registro
SKY FIBRA chega a mais 15 municípios com rede neutra da V.tal