Anatel decide antes do dia 15 de abril se aprova acordo da Oi no TCU

Posse de Alexandre Freire | Crédito Tele.Síntese

O Conselho Diretor da Anatel decidirá antes o dia 15 de abril se aprova o acordo fechado entre a Oi e o Tribunal de Contas das União (TCU) para o fim da concessão de telefonia fixa e a migração do contrato para o regime privado. O conselheiro relator indicado pelo conselho para construir o voto é Alexandre Freire, que também está com a relatoria do processo de intervenção na empresa.

A direção da Anatel decidiu, por precaução, distribuir esse processo da “autocomposição” para o conselheiro Freire, tendo em vista que são muitos os condicionantes do que foi acertado entre a empresa e a comissão de conciliação do tribunal. Não só a Anatel, mas os demais entes da União – Ministério Público e Advocacia Geral da União – deverão emitir o parecer sobre o documento e enviá-los para o TCU até o dia 15 de abril.

O acordo

Embora o mercado só conheça os termos do acordo pelas informações “vazadas” à imprensa, pois o documento mesmo ainda tramita em caráter sigiloso, novos detalhes sobre  são melhor explicados por diferentes fontes. E a operação do segundo “tranche” de recursos é o que precisa ser melhor explicada.

Na verdade, esse segundo “tranche” viria de uma “expectativa de direito”. Ou seja, como ficou decidido que a arbitragem privada será retomada (a Oi cobra da União um valor de R$ 54 bilhões), estima-se que a empresa irá sair da arbitragem com um “ganho” de cerca de R$ 6 bilhões. A Oi imagina que esse processo deverá demorar pelo menos dois anos até ser concluído.

Esses R$ 6 bilhões é que seriam, na verdade, o dinheiro novo do segundo tranche. Ou seja, na verdade, seria dinheiro da União que entrariam nos cofres da empresa. Mas, pelo acordo, segundo fontes ouvidas pelo Tele.Síntese, a Oi teria que usar esse dinheiro para pagar a dívida de R$ 7 bilhões (que já estão em R$ 9 bilhões) com a própria União. São dívidas de multas e as quais a AGU não abre mão, e que a expectativa da empresa era a de conseguir abatê-la na negociação com o TCU, o que não ocorreu. Mas a Oi está, desde dezembro do ano passado, inadimplente em relação a esse pagamento.

O primeiro tranche

O primeiro tranche,  os R$ 5,9 bilhões que a Oi se comprometeu a investir, como resultado pela migração da concessão de telefonia fixa, serão originários da V.Tal, empresa de rede neutra que é coligada a Oi. E desse montante, ficou assegurado que R$ 1,6 bilhão serão destinados exclusivamente para ampliar a conectividade nas escolas e investimento em cabos submarinos. Haverá ainda investimentos em datacenter, no montante de R$ 3,5 bilhões e obrigações de telefonia fixa.

O post Anatel decide antes do dia 15 de abril se aprova acordo da Oi no TCU apareceu primeiro em TeleSíntese.

Tags

Compartilhe

10 notícias mais importantes da semana (15/04 a 19/04)
Dono da Claro promete investimento de R$ 40 bilhões no Brasil; confira
Direitos do Consumidor no mundo digital são pautados pelo MCom; confira
Apple é obrigada a retirar WhatsApp e Threads da loja de apps na China
Itaú Unibanco lança função "transferir limites" para seus cartões
Dell Technologies expande armazenamento multicloud para aplicações de IA Azure
Malware mira usuários da Apple em 92 países
Com receita de R$ 555 milhões, Selbetti Tecnologia registra crescimento de 23%
Após o aporte do início do ano, Skyone adquire companhia por R$ 15 milhões e reforça presença em cloud
NovaRed e E-TRUST anunciam parceria para a oferta de gerenciamento de identidade e acessos