Ser mulher em Tecnologia

Não apenas no meu dia a dia profissional, como também em minhas relações pessoais, posso afirmar que há uma característica interessante em ser mulher: ela tem um efeito multiplicador. E aqui não quero defender que mulheres são melhores do que os homens, a propósito eu não gosto desse tipo de argumentação. Os grandes líderes que tive em minha carreira foram homens, inclusive. Eles me ajudaram muito a me tornar a líder que sou hoje.

Quando digo do efeito multiplicador da mulher, minha intenção é mostrar o quanto podemos ocupar uma posição de “agentes de mudança”, e isto é algo de extrema importância. Digo isso com conhecimento de causa pois minha própria mãe desempenhou ativamente este papel, com reflexos profundos na minha trajetória. Era arrojada, proativa, muito à frente de seu tempo: se envolvia em questões da comunidade além de ter decidido estudar após ter criado seus filhos. Sua referência é algo que ainda reverbera em minha vida, mesmo sem contar mais com a sua presença.

Nós mulheres tendemos a ser céticas em relação à nossa própria capacidade. A Síndrome do Impostor, aquele sentimento de que você não é apto para seu cargo, é real e acaba atrapalhando nossa vida. Segundo estudo da KPMG, “Advancing the Future of Women in Business: A KPMG Women’s Leadership Summit Report”, 75% das 750 executivas entrevistadas relataram ter experimentado esse sintoma em determinados momentos de suas carreiras. Outro dado importante deste estudo é que 56% têm medo de não corresponder às expectativas ou de que as pessoas ao seu redor não acreditem que são tão capazes quanto o esperado.

Minha forma de lidar com qualquer tipo de questionamento pessoal sempre foi ir atrás de conhecimento. Coleciono MBA’s, especializações e cursos que acredito que me façam ser ainda mais eficiente em meu trabalho. Talvez até pela área em que atuo – a Tecnologia – estar atualizada é ainda mais relevante. Esse motor que me desafia sempre é também o que me motiva. Ser o exemplo, assim como minha mãe ocupou esse lugar em minha vida, acaba se tornando uma realidade ainda mais relevante quando se é uma ‘mulher em Tecnologia’.

Certa desse papel, promover o conhecimento faz parte de um dos principais pilares de meu trabalho. Temos, dentro da empresa, o projeto Womens of Avalara (WoA), destinado às mulheres que fazem parte de nossa companhia, e me dedico também como mentora de novos talentos na ONG Ser Mulher em Tech.

Os mais de 30 anos em que me dedico à Tecnologia me deram importantes ferramentas para propagar alguns ensinamentos que tive de meus mentores. E, acreditando no potencial transformador das mulheres, dedico-me a esta deliciosa tarefa de tentar difundir um mundo mais igualitário e inspirá-las a crescerem em suas carreiras.

Alessandra Almeida, diretora-geral do Brasil e da América Latina da Avalara.

Tags

Compartilhe

7 jogos grátis para resgatar e jogar no PC, consoles e mobile
10 notícias mais importantes da semana (15/04 a 19/04)
Dono da Claro promete investimento de R$ 40 bilhões no Brasil; confira
Direitos do Consumidor no mundo digital são pautados pelo MCom; confira
Apple é obrigada a retirar WhatsApp e Threads da loja de apps na China
Itaú Unibanco lança função "transferir limites" para seus cartões
Dell Technologies expande armazenamento multicloud para aplicações de IA Azure
Malware mira usuários da Apple em 92 países
Com receita de R$ 555 milhões, Selbetti Tecnologia registra crescimento de 23%
Após o aporte do início do ano, Skyone adquire companhia por R$ 15 milhões e reforça presença em cloud