Regras anti-monopólio às big techs não bastam para a Europa, diz estudo

(crédito: Freepik)

Estudo publicado aponta que as cinco maiores big techs estadunidenses investem mais em pesquisa e desenvolvimento, durante um ano, do que os 27 países que integram a União Europeia têm disponível para investir em sete anos. Essa é um dos alertas presentes no estudo da União Europeia, divulgado esta semana,  sob o título ” Futures of Big Tech in Europe Scenarios and Policy Implications”. O estudo, de mais de 80 páginas, foi coordenado por Sandro Mendonça, ex-conselheiro da Anacom e integrante de grupo de trabalho da Anatel.

O documento analisa a realidade atual do continente europeu e propõe quatro cenários para o ano de 2040 para a Europa buscar se re-inserir nesse mundo, que, constata o documento, está totalmente dominado pelos players dos Estados Unidos. Mas em qualquer dos cenários elencados, aponta o estudo, para a Europa se tornar competitiva no mundo digital, não bastará implementar regras anti-monopolistas às big techs, mas terá que ter diferentes formas de atuação para estimular o surgimento também de novas empresas para chamar de suas.

O estudo ganha ainda mais interesse porque, ao se propõe a vislumbrar o futuro, ele é publicado justamente na semana que começou a valer o Digital Markets Act (DMA), a nova legislação europeia que fez uma série de enquadramento a essas empresas, acabando, na prática, com a “autorregulação”.  A nova legislação busca ampliar a competição nas plataformas de Google, Microsoft, Apple, Meta, You Tube de forma a fazer com que os pequenos produtores tenham mais acesso nas buscas, nos iPhones e nos vídeos das plataformas.

Os  maiores

Os dados apresentados no estudo coordenado por Mendonça apontam que, por exemplo, cinco das seis empresas de trilhão de dólares têm sede nos EUA e todas elas são do setor de tecnologia. Ou que entre as 100 maiores empresas de tecnologia, a situação é semelhante (com base na capitalização de mercado), as sete primeiras são norte-americanas, as duas seguintes são da Ásia. As primeiras empresas de tecnologia sediadas na Europa são encontradas em 13º lugar (ASML, Países Baixos), 20º lugar (SAP, Alemanha) e 35º lugar (Schneider Electronics, França); no total, apenas 11 empresas europeias estão entre as 100 primeiras.

Quanto aos investimentos em inovação, o documento aponta que, em 2022, as 10 empresas com  maiores orçamentos de P&D são Amazon, Meta, Alphabet, Apple, Microsoft, Tencent e Intel dos EUA, Huawei da China, Samsung da Coreia do Sul e apenas a Volkswagen da Europa.  E que as cinco maiores empresas de tecnologia com sede nos EUA investiram mais de US$ 200 bilhões em P&D em 2022, representando 80% de seus lucros e 30% de todos os gastos com P&D por empresas listadas nas bolsas de valores norte-americanas.

Diante da constatação de que a Europa está, sim, para trás, e projetando o futuro em quatro cenários – Winners tech all, Pax technologica, Re-matching, e Liberalismo de armário –  os analistas  apontam a necessidade de adoção de quatro iniciativas, independentemente do cenário futuro para a Europa e big techs que irá prevalecer. São elas:

A UE deve reforçar e desenvolver suas próprias regulamentações e ações antimonopolísticas para limitar o poder de mercado das Big Tech, mas estas não são suficientes para garantir o desenvolvimento econômico autônomo e o bem-estar na UE;
É necessário que uma nova geração de atores produtivos europeus surja para gerar uma capacidade produtiva do velho continente em novos campos de infraestruturação, e se estes forem construídos como entidades estatais europeias transnacionais, esta é uma opção a ser considerada.
O Programa-Quadro da UE e os orçamentos nacionais de pesquisa e inovação (P&I) devem ser comparados não apenas com seu desempenho passado, mas também com os gastos e estratégias das Big Tech;
Investimentos de “grandes apostas” são necessários na Europa, aliados a abordagens experimentais que induzam mais ações localizadas.

Além das políticas gerais sugeridas para se contrapor ao predomínio das big techs para todos os cenários, o estudo aponta também  perspectivas políticas específicas de cada cenário. Para cada um dos cenários mencionados acima, a Europa deve promover:

Supervisão consistente da concorrência e aplicação da regulação tecnológica nos níveis nacional e da UE;
Isenção de despesas com educação e pesquisa no nível dos Estados-Membros do limite de 3% das regras de déficit orçamentário;
Uma nova geração de acordos bilaterais e multilaterais com o Sul Global para co-desenvolver capacidades produtivas e infraestruturais;
Promoção de pontos de aglomeração e bens públicos relacionados à inovação enraizada no local para fomentar um fluxo contínuo de “pequenas apostas”.

Baixe aqui a íntegra do documento 

 

 

 

O post Regras anti-monopólio às big techs não bastam para a Europa, diz estudo apareceu primeiro em TeleSíntese.

Tags

Compartilhe

Xbox: jogos com até 90% de desconto para Xbox One e Series S|X
Honor não quer ser coadjuvante no Brasil, mas entrada no país ainda não foi confirmada
Código aberto, uma tecnologia em constante evolução
IA: Relatório preliminar prevê autoridade coordenadora com características de autarquia
Windows 11 agora exibe anúncios de apps dentro do Menu Iniciar
Veja dicas de como economizar na compra de eletrodomésticos
Diretor de Guerra Civil já fez quatro ótimos filmes de ficção científica! Veja quais
Home office: 102 vagas para trabalho remoto internacional [24/04]
Ações do Brasil para expandir telecom podem ser adotadas em qualquer país
Satélite da Telebras será usado para antecipar metas do governo de inclusão digital