PEC da cibersegurança tem votação adiada para análise do Ministério da Justiça

Pedido de vistas adia análise da PEC que define competência sobre segurança cibernética | Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado Federal adiou a votação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 3/2020, que dispõe sobre a competência privativa da União para legislar sobre a segurança cibernética. O pedido de vistas partiu do líder do governo, Jaques Wagner (PT-BA), por orientação do Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP).

Ao solicitar o adiamento, o senador lembrou que o órgão fez recente troca de comando, tanto na chefia geral quanto na Secretaria de Direitos Digitais, e quer contribuir para o texto. De acordo com o presidente do colegiado, Davi Alcolumbre (União-AP), a matéria pode voltar a ser pautada já na próxima semana.

A proposta tem parecer favorável do relator, Hamilton Mourão (Republicanos-RS), com algumas alterações em relação ao texto original.

Inicialmente, a PEC atribuiria à União, aos Estados e ao Distrito Federal, concorrentemente, a função de legislar sobre “normas de segurança cibernética aplicáveis à prestação de serviços públicos”. Já a mudança sugerida pelo relator substitui para a competência privativa da União e acrescenta outros temas nesta exclusividade, são eles:

política de crédito, câmbio, seguros, transporte e transferência de valores; e
serviços, funcionamento e segurança das instituições financeiras, suas dependências e as de seus correspondentes.

Ao todo, seriam acrescidas quatro novas competências privativas. A quarta já estava prevista no texto original, que diz respeito às defesas territorial, aeroespacial, marítima, civil, cibernética e mobilização nacional.

No relatório, Mourão argumenta que as alterações são necessárias dado o “cenário de integração entre as diversas tecnologias e o aumento da atividade criminosa cometida por hackers”.

“A atribuição de competência privativa da União para legislar sobre defesa e segurança cibernética, torna-se essencial, com vistas a proteger o bem-estar público e a integridade dos sistemas críticos de informação, a fim de manter uma legislação uniforme sobre o tema”, justifica o relator.

Já para a função de “zelar pela segurança cibernética dos serviços públicos” a PEC continua prevendo, confirme a sugestão original, ser de “competência comum da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios”.

Acesse aqui a íntegra do relatório.

O post PEC da cibersegurança tem votação adiada para análise do Ministério da Justiça apareceu primeiro em TeleSíntese.

Tags

Compartilhe

TIM amplia rede 5G para mais de 57 cidades em diversos estados
Apenas 22% dos brasileiros tem acesso a boa conectividade; veja estudo
Claro e Embratel lançam programa que facilita acesso de startups ao Open Gateway
Claro registra receita de R$ 11,77 bilhões no 1º tri, alta de 5%
Magalu Cloud lança produtos de armazenamento e segurança
B3 lança solução de ativos tokenizados para viabilizar a arrecadação de fundos
Explorando o mundo dos dados: uma metáfora culinária
Oi quer regulação das redes neutras e mudanças em interconexão
Alloha Fibra diz que mudança no conceito de PPP pode “implodir” negócios
Condecine: Senadores rejeitam emenda que blindaria YouTube e TikTok