Cybersegurança é o principal risco global para os negócios em 2024, aponta estudo

Incidentes cibernéticos, como ataques de ransomware, violações de dados e interrupções de TI, são a maior preocupação para empresas no mundo em 2024, de acordo com o Allianz Risk Barometer.

O perigo intimamente interligado da interrupção nos negócios ocupa o segundo lugar. Catástrofes naturais (subindo do 6º para o 3º, ano após ano), Incêndio, explosão (subindo do 9º para o 6º) e Riscos políticos e violência (subindo do 10º para o 8º) são os maiores destaques na última compilação dos principais riscos globais de negócios, com base nas percepções de mais de 3.000 profissionais de gerenciamento de riscos.

Brasil

No Brasil, os três principais riscos são de mudanças climáticas, interrupção de negócios e os cibernéticos. Um dos maiores movimentos na pesquisa deste ano é o de mudanças climáticas. Em um sinal de que as empresas estão sentindo o impacto de eventos climáticos extremos, ele ocupa a 3ª posição, subindo três posições em relação ao ano anterior.

O ano de 2023 foi novamente de recordes em vários aspectos. Foi o ano mais quente desde o início dos registros, segundo a Organização Meteorológica Mundial, enquanto as perdas seguradas, em 2023, no mundo, superaram US$100 bilhões pelo quarto ano consecutivo. As perdas por tempestades severas atingiram uma nova alta histórica de US$60 bilhões, em âmbito global.

A quebra de recordes climáticos, em 2023, incluiu temperaturas da superfície do mar, aumento do nível do mar e baixa cobertura de gelo marinho na Antártica. As mudanças climáticas (18%) apesar de não terem se movido ano após ano no Allianz Risk Barometer, permanecendo em 7º, são refletidas no aumento do risco das catástrofes naturais no ranking. É considerado prioridade para grandes empresas (ocupando o 4º lugar, sua posição mais alta até então), sendo o principal risco no Brasil e na Turquia, e subindo ano após ano em muitos países, como França, Alemanha, Itália, Nigéria, Cingapura, Espanha, Reino Unido e Estados Unidos.

As empresas estão confiantes de que as duas principais ameaças dos últimos tempos, a pandemia e a crise energética, ficaram para trás. No entanto, a interrupção dos negócios continua a ser uma preocupação fundamental, uma vez que as empresas são desafiadas a construir resiliência e a diversificar as cadeias de abastecimento, em um mundo em constante mudança.

A interrupção de negócios (BI) ocupa o segundo lugar no Barômetro de Risco Allianz, atrás do risco cibernético, intimamente ligado. Está entre os três principais riscos para empresas de todos os tamanhos e é a segunda maior preocupação nas regiões das Américas, Europa, Ásia Pacífico e África e Médio Oriente.

Após dois anos de atividades de perdas elevadas, mas estáveis, 2023 assistiu a um ressurgimento preocupante de perdas de ransomware e extorsão, à medida que o cenário de ameaças cibernéticas continua a evoluir. Os hackers têm cada vez mais como alvo as áreas de TI das companhias e as cadeias de abastecimento físicas, lançando ataques cibernéticos em massa e encontrando novas formas de extorquir dinheiro de empresas, grandes e pequenas.

Não é de admirar que as empresas classifiquem o risco cibernético como a sua principal preocupação (36% das respostas – 5 pontos percentuais à frente do segundo maior risco) e, pela primeira vez, em empresas de todos os tamanhos, grandes (acima de US$ 500 milhões de receita anual), médias (de US? 100 milhões a US? 500 milhões) e pequenas (abaixo de US$ 100 milhões de faturamento anual), também.

É a causa de interrupção dos negócios que as empresas mais temem, enquanto a resiliência da segurança cibernética é classificada como o desafio ambiental, social e de governança (ESG) mais preocupante das empresas. É também a principal preocupação das empresas numa vasta gama de indústrias, incluindo bens de consumo, serviços financeiros, cuidados de saúde e telecomunicações, para citar apenas algumas.

O CEO da Allianz Commercial, Petros Papanikolaou, comenta sobre os resultados: “Os principais riscos e as maiores ascensões no Allianz Risk Barometer deste ano refletem os grandes problemas enfrentados pelas empresas ao redor do mundo, atualmente – digitalização, mudanças climáticas e um ambiente geopolítico incerto. Muitos desses riscos já estão impactando, com condições climáticas extremas, ataques de ransomware e conflitos regionais esperados para testar ainda mais a resiliência das cadeias de abastecimento e modelos de negócios em 2024. Corretores e clientes de empresas de seguros devem estar cientes e ajustar suas coberturas de seguro de acordo.”

Grandes corporações, empresas de médio porte e pequenos negócios estão unidos pelas mesmas preocupações de risco – todos estão principalmente preocupados com cibersegurança, interrupção nos negócios e catástrofes naturais. No entanto, a lacuna de resiliência entre empresas grandes e menores está se ampliando, conforme a conscientização de risco entre as organizações maiores cresceu desde a pandemia, com um esforço notável para aprimorar a resiliência, destaca o relatório. Por outro lado, empresas menores frequentemente carecem de tempo e recursos para identificar e se preparar efetivamente para uma ampla gama de cenários de risco e, como resultado, levam mais tempo para retomar os negócios após um incidente inesperado.

Tendências impulsionando a atividade cibernética em 2024

Incidentes cibernéticos (36%) são classificados como o risco mais importante globalmente pelo terceiro ano consecutivo – pela primeira vez com uma margem clara (5% pontos). É o principal perigo em 17 países, incluindo Austrália, França, Alemanha, Índia, Japão, Reino Unido e Estados Unidos. U

ma violação de dados é considerada a ameaça cibernética mais preocupante para os respondentes do Allianz Risk Barometer (59%), seguida por ataques à infraestrutura crítica e ativos físicos (53%). O recente aumento nos ataques de ransomware – 2023 viu um preocupante ressurgimento na atividade, com a atividade de sinistros de seguro aumentando mais de 50% em comparação com 2022 – ocupa o terceiro lugar (53%).

“Os criminosos cibernéticos estão explorando maneiras de usar novas tecnologias, como inteligência artificial generativa (IA), para automatizar e acelerar ataques, criando malware e phishing mais eficazes. O aumento no número de incidentes causados por uma segurança cibernética deficiente, especialmente em dispositivos móveis, a escassez de milhões de profissionais em segurança cibernética e a ameaça enfrentada por empresas menores devido à sua dependência da terceirização de TI também são esperados para impulsionar a atividade cibernética em 2024”, explica Scott Sayce, Chefe Global de Cibersegurança da Allianz Commercial.

Interrupção nos negócios e catástrofes naturais

Apesar do alívio na interrupção das cadeias de abastecimento pós-pandemia em 2023, a interrupção nos negócios (31%) mantém sua posição como a segunda maior ameaça na pesquisa de 2024. Esse resultado reflete a interconexão em um ambiente de negócios global cada vez mais volátil, bem como uma forte dependência de cadeias de abastecimento para produtos ou serviços críticos. Melhorar a gestão da continuidade dos negócios, identificar gargalos nas cadeias de abastecimento e desenvolver fornecedores alternativos continuam sendo prioridades-chave de gerenciamento de riscos para empresas em 2024.

Catástrofes naturais (26%) estão entre as três maiores movimentações, subindo três posições no rakning. Por isso, 2023 foi um ano recorde em vários aspectos. Foi o ano mais quente desde que os registros começaram, enquanto as perdas seguradas superaram US?100 bilhões pelo quarto ano consecutivo, impulsionadas pela conta de danos mais alta de todos os tempos, de US?60 bilhões, devido a tempestades severas.

No mundo, catástrofes naturais são o risco #1 na Croácia, Grécia, Hong Kong, Hungria, Malásia, México, Marrocos, Eslovênia e Tailândia, muitos dos quais sofreram alguns dos eventos mais significativos de 2023. Na Grécia, um incêndio próximo à cidade de Alexandroupolis, em agosto, foi o maior já registrado na União Europeia. Enquanto isso, inundações severas na Eslovênia resultaram em um dos maiores eventos de cadeia de abastecimento, causando atrasos na produção e falta de peças para fabricantes de automóveis europeus.

Diferenças regionais e riscos

As mudanças climáticas (18%) podem não ter se movido ano após ano (7º lugar), mas estão entre os três principais riscos de negócios em países como Brasil, Grécia, Itália, Turquia e México. Danos físicos aos ativos corporativos de eventos climáticos extremos mais frequentes e severos são uma ameaça-chave. Os setores de serviços públicos, energia e industrial estão entre os mais expostos. Além disso, os riscos de transição para uma economia net zero e os riscos de responsabilidade devem aumentar no futuro, à medida que as empresas investem em novas tecnologias de baixo carbono, em grande parte não testadas, para transformar seus modelos de negócios.

Não surpreendentemente, dados os contínuos conflitos no Oriente Médio e Ucrânia, e as tensões entre China e EUA, os riscos políticos e a violência (14%) sobem do 10º para o 8º lugar. 2024 também é um super ano de eleições, onde até 50% da população mundial poderia ir às urnas, incluindo Índia, Rússia, EUA e Reino Unido. A insatisfação com os resultados potenciais, juntamente com a incerteza econômica geral, o alto custo de vida e o crescimento da desinformação alimentada pelas redes sociais, significa que a polarização social deve aumentar, desencadeando mais agitação social em muitos países.

No entanto, há alguma esperança entre os respondentes do Allianz Risk Barometer de que 2024 poderia ver os altos e baixos econômicos selvagens experimentados desde o choque da Covid-19 se acalmarem, resultando em desenvolvimentos macroeconômicos (19%), caindo do 3º para o 5º lugar. No entanto, as perspectivas de crescimento econômico permanecem fracas – bem abaixo de 1% nas principais economias em 2024, de acordo com a pesquisa da Allianz.

“Mas esse crescimento fraco é um mal necessário: as altas taxas de inflação finalmente serão coisa do passado”, diz Ludovic Subran, Economista-Chefe da Allianz. “Isso dará aos bancos centrais algum espaço para manobra – taxas de juros mais baixas são prováveis no segundo semestre do ano. Não um segundo tarde demais, pois não se pode esperar estímulo da política fiscal. Uma ressalva é o considerável número de eleições em 2024 e o risco de mais agitação, dependendo de certos resultados.”

Em um contexto global, a escassez de mão de obra qualificada (12%) é vista como um risco menor do que em 2023, caindo da 8ª para a 10ª posição. No entanto, empresas na Europa Central e Oriental, Reino Unido e Austrália a identificam como um dos cinco principais riscos de negócios. Dado que ainda há um desemprego recorde em muitos países ao redor do mundo, as empresas estão procurando preencher mais vagas de empregos do que há pessoas disponíveis para ocupá-las. Especialistas em TI ou dados são vistos como os mais difíceis de encontrar, tornando essa questão um aspecto crítico na luta contra crimes cibernéticos.

Os 10 principais riscos globais para empresas em 2024

Tags

Compartilhe

10 notícias de tecnologia para você começar o dia (19/04)
Netflix supera expectativas em lucro e número de assinantes no começo de 2024
Telcomp: clientes das prestadoras regionais não são de segunda classe
Netflix tem alta de quase 80% no lucro e base de assinantes chega a 270 milhões
Nokia faz parceria e cria celular para amantes de cerveja; veja como funciona
Meta Llama 3 será executada em dispositivos com chips da Qualcomm
Para a Cisco, chegou a vez da segurança em todo lugar
Pesquisa aponta a necessidade de modernização dos escritórios para estimular trabalho presencial
Núclea adquire sistema de seguros da CERC e ingressa no mercado de registro
SKY FIBRA chega a mais 15 municípios com rede neutra da V.tal