PF cumpre mandados de prisão da Operação i-Fraude

A Polícia Federal cumpriu nesta quinta-feira (1/2) três mandados de prisão preventiva no âmbito da Operação I-Fraude, que desarticulou organização criminosa responsável pela invasão de sistemas federais e venda de dados pessoais por meio de painéis de pesquisas.

Os mandados judiciais, expedidos pela 12ª Vara Federal Criminal da Seção Judiciária do Distrito Federal, foram cumpridos em Campinas/SP (2) e Caruaru/PE.

Foi determinado ainda o bloqueio de até R$ 4 milhões das contas bancárias dos investigados.

Histórico

Os trabalhos policiais tiveram início a partir da identificação da invasão de banco de dados de sistemas federais. Informações pessoais de milhares de pessoas foram subtraídas e estavam disponíveis para consulta indiscriminada, inclusive por criminosos.

A partir de representação da PF, o Juízo da 12ª Vara Federal Criminal da Seção Judiciária do Distrito Federal expediu 11 mandados de busca e apreensão para cumprimento em cinco estados diferentes da federação.

Deste total, três estão sendo cumpridos em São Paulo; um em Pernambuco; dois em Rondônia; quatro em Minas Gerais e um em Alagoas. Também estão sendo cumpridos, simultaneamente, sete mandados de medidas cautelares diversas da prisão contra os investigados.

Os indícios apurados indicam que dados de inúmeras autoridades e pessoas publicamente conhecidas estavam disponíveis para consulta.

O painel de consulta era oferecido, principalmente, através de plataformas de redes sociais. Existiam diversos “planos” de mensalidades, de acordo com o número de consultas realizadas. Tal painel contava com aproximadamente dez mil “assinantes” com uma média de dez milhões de consultas mensais.

Dentre os usuários, foi possível identificar membros de facções criminosas e até mesmo integrantes das forças de segurança. Com relação a estes últimos, os criminosos ofereciam o serviço de forma gratuita. No entanto, o servidor precisava enviar, para comprovação de identidade, foto de sua carteira funcional. Dessa forma, os criminosos obtiveram cadastro, com foto, de milhares de servidores da segurança pública e também forneciam esses dados.

A utilização e comercialização de sistemas de pesquisa ilícitos cujos insumos são dados pessoais, ilicitamente obtidos, fomenta a indústria de intrusão em bancos de dados, em especial de órgãos públicos, incentivando a ação de grupos especializados nesse tipo de crime.

As penas para o crime de invasão de dispositivo informático, lavagem de bens ou valores e organização criminosa podem chegar a 23 anos de reclusão, sem prejuízo de que, com a continuidade das investigações, os suspeitos possam responder por outros crimes em que tenham envolvimento.

Tags

Compartilhe

Telescópio Espacial James Webb Revela Estrutura Óssea de uma Deslumbrante e Solitária Galáxia
Motorola Solutions nomeia Nicole Anasenes para o Conselho de Administração
Duna Parte 2 é um filme épico, divertido e que não dá sono - Opinião
Procon-SP notifica HBO Brasil após mudanças no streaming Max
Elon Musk processa OpenAI por 'traição' ao virar uma empresa que busca lucros
Rival da Steam libera novo jogo grátis no PC; resgate agora!
IBM disponibiliza modelo de código aberto Mixtral-8x7B na plataforma watsonx para impulsionar inovação em IA
Divisão automotiva da ThyssenKrupp é alvo de ciberataque
Estúdio de Crash e Spyro deixa Microsoft e vira produtora indie
Galaxy Ring será compatível com outros celulares Android, mas não com iPhones