Operadoras desconheciam uso de software espião pela Abin

As operadoras móveis nacionais brasileiras rebateram reportagem publicada ontem pelo jornal Folha de S.Paulo. O periódico afirma, sem elucidar a origem da informação, que as empresa sabiam que suas redes estavam sob ataque da “Abin paralela”, grupo do governo Bolsonaro que espionou adversários políticos do ex-presidente.

As teles informam que só souberam dos ataques após notícias na imprensa em março de 2023 e que tomaram as medidas cabíveis à época, informando a Anatel e reforçando a segurança das redes. Ontem a Anatel também soltou nota desmentindo que as operadoras soubessem de algo antes de as notícias virem a público e dizendo que segue investigando o assunto.

Veja o que diz cada operadora:

Claro

“A Claro informa que não teve qualquer conhecimento sobre a utilização de sistema de monitoramento de localização de usuários de telecomunicações, até que as notícias se tornassem públicas. A operadora passou esta mesma resposta à Anatel em ofício em abril de 2023.

A Claro reforça que investe constantemente em políticas e procedimentos de segurança, sempre em linha com a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), Regulamento de Segurança Cibernética e toda a legislação vigente, a fim de proteger suas redes e a segurança dos seus clientes.”

Vivo

“A Vivo reforça que não teve conhecimento sobre a utilização do software citado pelas reportagens até que as investigações fossem publicadas na mídia. Em abril de 2023, a empresa prestou este esclarecimento para a Anatel.
A empresa esclarece que investe, de forma contínua, em diversas tecnologias de segurança e prevenção a fraudes para a proteção de seus clientes”.

TIM

“A TIM esclarece que apenas tomou conhecimento sobre a utilização da ferramenta de monitoramento após as notícias veiculadas pela mídia. Além disso, o fato foi informado à Anatel, por meio de manifestação, em abril do ano passado, ressaltando que não sofreu nenhuma invasão ou vazamento de dados.

A operadora reforça seu compromisso com a privacidade dos clientes, conforme a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), destacando medidas contínuas para mitigar eventuais vulnerabilidades trazidas pelo tipo de dispositivo destacado nas matérias desde 2019. A empresa está à disposição da Anatel para esclarecimentos adicionais, evidenciando sua postura sempre proativa na proteção da privacidade dos usuários e na segurança da rede.”

O post Operadoras desconheciam uso de software espião pela Abin apareceu primeiro em TeleSíntese.

Tags

Compartilhe

Telescópio Espacial James Webb Revela Estrutura Óssea de uma Deslumbrante e Solitária Galáxia
Motorola Solutions nomeia Nicole Anasenes para o Conselho de Administração
Duna Parte 2 é um filme épico, divertido e que não dá sono - Opinião
Procon-SP notifica HBO Brasil após mudanças no streaming Max
Elon Musk processa OpenAI por 'traição' ao virar uma empresa que busca lucros
Rival da Steam libera novo jogo grátis no PC; resgate agora!
IBM disponibiliza modelo de código aberto Mixtral-8x7B na plataforma watsonx para impulsionar inovação em IA
Divisão automotiva da ThyssenKrupp é alvo de ciberataque
Estúdio de Crash e Spyro deixa Microsoft e vira produtora indie
Galaxy Ring será compatível com outros celulares Android, mas não com iPhones