Entidade de telecom europeia pressiona big techs para pagar expansão do 5G

A ETNO, a principal associação de telecomunicações da Europa, revelou o seu Relatório “Estado das Comunicações Digitais 2024”, baseado na pesquisa da Analysys Mason. Isto ocorre num momento em que o setor aguarda o novo “Pacote de conectividade em infraestruturas digitais” da Comissão Europeia, prevista para 21 de fevereiro.

A ETNO ressalta um sentido de urgência em torno da política de telecomunicações, onde reivindicam ajuda da BigTechs para pagar a implantação do 5G e da banda larga na Europa, que está atrás do mercados norte-americano e asiáticos.

O relatório deste ano, pela primeira vez, acompanha o progresso em inovações como 5G SA, Open RAN e edge cloud. Estas tecnologias estão a redefinir a liderança em conectividade e, como resultado, são cruciais para alcançar os objetivos socioeconómicos da Europa e garantir a autonomia estratégica aberta na tecnologia.

Uma rede 5G SA usa núcleo 5G, o que significa que não depende de gerações anteriores, como 4G. Isso permite os casos de uso mais inovadores, como redes de campus para fábricas. Com 10 redes 5G SA operacionais, a Europa teve um desempenho melhor do que a América do Norte com as suas 4 redes, mas ficou atrás da Ásia, que contou com 17.

Quanto à edge cloud, que aproxima a capacidade computacional do utilizador final, a Europa contabilizou 4 ofertas comercializadas em 2023, atrás da região Ásia-Pacífico (17 ofertas) e da América do Norte (9 ofertas). Em open RAN – a forma mais flexível de rede de acesso rádio – a Europa conta 11 ensaios e implementações, o que significa que está à frente da América do Norte, que contou com 8, mas atrás da Ásia e do Japão, que contou com 19. Estes números sublinham a necessidade de uma uma política industrial pró-inovação e pró-investimento que aborde o ecossistema de conectividade da Europa.

Metas da Década Digital da UE: bons progressos em FTTH, mas ainda faltam metas de 5G e gigabit

Com o objetivo da UE de alcançar a cobertura total de 5G e de gigabits até ao final desta década, o nosso relatório concluiu que ainda é necessário um investimento adicional significativo na implantação antes que as metas sejam alcançadas. Em 2023, o 5G na Europa atingiu 80% da população, acima dos 73% do ano anterior. No entanto, a Europa ainda está atrás de todos os seus pares globais: Coreia do Sul (98% de cobertura 5G), EUA (98%), Japão (94%) e China (89%).

No que diz respeito às redes fixas, a cobertura com capacidade gigabit na Europa atingiu 79,5% em 2023, contra 97,0% na Coreia do Sul, 89,6% nos EUA e 81,4% no Japão. Por outro lado, a cobertura FTTH da população da Europa (excluindo FTTB) atingiu 63,4% em 2023, acima dos 55,6% do ano anterior. No entanto, também este ano, Analysys Mason confirma que, no final da década, cerca de 40 milhões de pessoas na UE ainda não terão acesso a uma ligação fixa gigabit.

Telecomunicações europeias: fundamentos fracos devem ser motivo de alarme

Os atrasos na implantação, que afetam os usuários, refletem-se tanto no baixo investimento per capita como na fraca saúde financeira geral do setor, que são motivo de preocupação em termos de competitividade.

Em 2022, o Capex de telecomunicações per capita na Europa situou-se em 109,1 euros, inferior ao da Coreia do Sul (113,5 euros) e muito inferior ao dos EUA (240,3 euros). Em termos absolutos, porém, o investimento europeu nas telecomunicações atingiu 59,1 bilhões de euros em 2022, acima dos 56,3 bilhões de euros do ano anterior, sendo 60 a 70% dedicados à implantação de redes móveis e fixas.

As receitas do setor, medidas com a receita média por utilizador (ARPU), continuam a ser as mais fracas de todos os pares globais: em 2022, o ARPU móvel foi de 15,0 euros na Europa, em oposição a 42,5 euros nos EUA, 26,5 euros na Coreia do Sul, e € 25,9 no Japão. O mesmo se aplica ao ARPU da banda larga fixa, que foi de 22,8 euros na Europa, contra 58,6 euros nos EUA e 24,4 euros no Japão. Apenas a Coreia do Sul foi inferior (13,1€).

Isto reflete-se no fato de o ROCE (retorno sobre o capital empregado) dos membros da ETNO ter caído quase para metade no passado recente: em 2017, o ROCE foi de 9,1%, enquanto em 2022 foi de 5,8%, sinalizando que é cada vez mais difícil para as empresas de telecomunicações europeias para gerar retornos adequados sobre seu investimento.

O relatório concluiu que em 2023 a Europa contava com 45 grandes grupos operacionais móveis com mais de 500.000 clientes, em oposição a 8 nos EUA, 4 na China e no Japão e 3 na Coreia do Sul.

Lise Fuhr , diretora Geral da ETNO, afirmou: “ Os usuários esperam novas redes e a competitividade da Europa depende de conectividade inovadora. É por esta razão que devemos tomar medidas políticas urgentes para ajudar a fortalecer o sector europeu das telecomunicações. O status quo – tanto em termos de investimento como de política – não proporcionará os níveis de inovação que são tão desesperadamente necessários para sustentar o crescimento e concretizar a Autonomia Estratégica Aberta”.

Tags

Compartilhe

ASUS anuncia evento de lançamento virtual do Zenfone 11 Ultra
Xiaomi e Leica anunciam o Instituto Óptico Xiaomi x Leica, inovando no campo da imagem móvel
Vivo é avaliada positivamente por analistas financeiros
Meta vai lançar pulseira com detecção de movimento em breve
Batalha das Solteiras: dorama terá segunda temporada na Netflix?
Vida útil da bateria do iPhone 15 pode durar o dobro do prometido, afirma Apple
Mulher compra iPhone na Amazon e recebe embalagem de leite condensado
Reoneração da folha: Em manifesto, setores pedem projeto de lei
Trustee DTVM quer influenciar rumos da Oi
Galaxy M15 5G deve ter boa bateria e carregamento rápido