Operadoras questionam escopo da rede privativa móvel no DF

Mapa mostra onde ficará a rede privativa móvel de segurança nacional e alguns dos equipamentos no DF

As operadoras móveis Claro, TIM e Telefônica Vivo entraram com recurso em 11 de setembro a fim de suspender a decisão do Gaispi que estabeleceu os requisitos técnicos mínimos da rede móvel privativa de segurança nacional do governo federal. A rede será criada no Distrito Federal com recursos das compradoras da frequências de 3,5 GHz no leilão 5G. O pedido será avaliado pelo presidente do Conselho Diretor e da Anatel, Carlos Baigorri.

O recurso aponta diferença no escopo do que foi definido no edital e no foi aprovado com base nos requisitos técnicos. Estes requisitos foram publicados na íntegra hoje, 19, e podem ser conferidos aqui.

Entre os diversos pontos, as exigências preveem algumas características de redes públicas, como plano de numeração, chamadas em roaming e interconexão com redes abertas. A rde terá até 150 mil usuários.

O Tele.Síntese apurou que a grande questão em pauta é se deve uma rede privativa, com características de serviço limitado privado (SLP) deve ter a capacidade de operar com tais características, em vez de ficar restrita às atividades de missão crítica.

As empresas entendem que o serviço deve se limitar ao Distrito Federal e aos terminais a ela conectados. Mas os requisitos apontam um funcionamento mais amplo, como indica o trecho extraído abaixo:

A Rede Privativa deverá considerar os seguintes serviços.

Serviços Gerais Suportados:

Dados LTE

VoLTE com Serviços Suplementares

Chamada de Vídeo IR.94

Streaming de áudio e vídeo por OTT

Mensagens baseadas na IR.95 SMS/MMS

Serviços baseados em geolocalização

Serviços de multimídia em broadcast e multicast

PTT (Push-to-Talk), PTD (Push-to-Data) e PTV (Push-to-Video)

Chamada em Conferência

Chamada em Roaming

Chamada VoWIFI

Interconexão com redes

Plano de numeração

Serviços Regulatórios Suportados:

Interceptação legal

Chamada de Emergência

Alerta de emergência sem fio

As operadoras apontaram tais questões na reunião do Gaispi. Os representantes do governo defenderam as exigências, e o tema acabou aprovado por dissenso em favor do governo pelo presidente do Gaispi, Moisés Moreira.

Ficou determinado que a EAF (Siga Antenado) elabore um projeto de rede privativa móvel e traga para o Gaispi. Também deverá trazer, quinzenalmente, eventuais questões regulatórias surgidas ao longo da elaboração. E poderá, inclusive, propor a qualquer momento a revisão dos requisitos.

Também hoje foram publicados os requisitos técnicos da rede privativa fixa de banda larga, esta com 6500 pontos de acesso espalhados pelo Brasil inteiro.

O post Operadoras questionam escopo da rede privativa móvel no DF apareceu primeiro em TeleSíntese.

Tags

Compartilhe

tcu-recomenda-reforco-nas-pesquisas-de-precos-e-catalogos-do-governo-para-tic
TCU recomenda reforço nas pesquisas de preços e catálogos do governo para TIC
Como saber se o celular está com vírus? Descubra agora
Polícia Federal flagra predador sexual no interior de São Paulo
Usuário volta após banimento de 11 anos (!) para continuar debate em fórum
Cocô tech: artista cria tampa de vaso com celulares antigos que custa bem caro
alares-compra-a-azza-e-assume-o-quarto-lugar-entre-os-isps-no-mercado-de-sp
Alares compra a Azza e assume o quarto lugar entre os ISPs no mercado de SP
Netflix recebe temporada 6 de Cobra Kai! Relembre a história da série
De surpresa! Realme GT 6 é lançado no Brasil em duas cores por R$ 3.999
Apple 'alfineta' vigilância do Google Chrome em novo comercial do Safari
The Boys altera final da quarta temporada após tiros em Donald Trump