Métricas ESG influenciam remuneração de executivos de 8 em cada 10 dos maiores bancos globais, diz estudo da Morrow Sodali

A sustentabilidade deixou de ser apenas um discurso e passou a influenciar diretamente a remuneração dos administradores dos maiores bancos globais. Um estudo da Morrow Sodali, consultoria global de serviços estratégicos e governança corporativa, revela que de 8 em cada 10 das maiores instituições financeiras da Europa e dos Estados Unidos já adotam metas e métricas ESG (ambientais, sociais e de governança) nas suas estratégias de incentivo e remuneração da alta liderança. O estudo, denominado “Governance of Sustainability in the Largest Global Banks”, é baseado nas informações públicas, divulgadas até o final de agosto de 2022 pelos 30 maiores bancos mundiais, e analisou organizações como o espanhol Santander, o alemão Deutsche Bank, o francês BNP Paribas, os ingleses Lloyds Banking e Barclays, além dos americanos JP Morgan, Morgan Stanley, Citi e Goldman Sachs. Ainda que a pesquisa tenha ficado restrita aos pares europeus e americanos, a Morrow Sodali avalia que a tendência é que as práticas dessas instituições deverão influenciar e impactar mercados importantes, como o Brasil.

Segundo o estudo, os fatores materiais incorporados às metas de remuneração dos executivos estão relacionados, principalmente, às questões ambientais e sociais — com destaque para mudanças climáticas e incentivos à ampliação da diversidade, sobretudo a de gênero, na composição dos conselhos de administração e da alta liderança executiva. Os europeus estão à frente na inclusão da sustentabilidade como parte da remuneração variável – 95% dos bancos adotam essa prática. Nos EUA, a adesão atinge 60% das instituições pesquisadas.

“As métricas de sustentabilidade para planos de remuneração de alguns bancos europeus estendem-se aos executivos de cargos gerenciais como estratégia para incorporar a sustentabilidade na cultura das organizações desde os níveis hierárquicos mais altos”, avalia Agnes Querido Blanco, diretora-geral da operação da Morrow Sodali no Brasil. “Trata-se de uma tendência que deve ter efeitos em bancos com operação no mercado brasileiro”, diz.

O estudo ainda constatou que 80% das instituições que divulgaram o desempenho relacionado à sustentabilidade incluem as métricas nos Planos de Incentivo de Curto Prazo (STIPs, em inglês). Outros 13% inserem as métricas nos Planos de Incentivo de Longo Prazo (SLTIP, em inglês), enquanto 7% deles as distribuem entre os dois planos de incentivo.

Nos EUA, 100% das métricas são incluídas nos planos de curto prazo. Já entre os europeus, os bancos preferem distribuir 75% das métricas nos planos de longo prazo e 25% entre curto e longo prazos. “Uma justificava para a prevalência de métricas no curto prazo é o fato de que os objetivos sociais podem ser medidos em ciclos anuais”.

Fatores materiais da sustentabilidade

Além de influenciar a remuneração dos executivos, as práticas ESG também são consideradas relevantes para os negócios dos bancos. Recentemente, após um longo e participativo esforço, o International Sustainability Standards Board (ISSB), criado pela IFRS Foundation, anunciou um conjunto de normas que devem orientar os reguladores locais na divulgação de informações sobre o impacto das atividades das empresas e bancos em questões ambientais, sociais e de governança. No Brasil, autarquias como o Banco Central e a Comissão de Valores Mobiliários devem seguir essas diretrizes. Pelas regras do ISSB, informações que têm impacto material – como a remuneração dos executivos atrelada a metas climáticas – são relevantes para os negócios, portanto, devem ser divulgadas com cada vez mais transparência.

Para identificar os fatores materiais da sustentabilidade, a Morrow Sodali usou o conceito de dupla materialidade, que leva em conta tanto o impacto do conjunto de práticas ESG no desempenho financeiro, quanto o efeito dos bancos nas questões de sustentabilidade. A consultoria definiu quatro principais categorias que compõem essa dupla materialidade: mudanças climáticas; empréstimo e investimento responsáveis; proteção e experiência do cliente e diversidade e inclusão.

O estudo revelou que 93% dos bancos pesquisados consideram a mudança climática um dos principais fatores materiais – muitos já firmaram compromissos públicos, alinharam-se a iniciativas e adotam metas de redução de emissão de gases de efeito estufa e financiamento de projetos voltados à transição para uma matriz energética de baixo carbono. Outros temas materiais mais presentes foram Investimento/empréstimo sustentável (68%), proteção/experiência do cliente e diversidade e inclusão (64%).

Para Blanco, o estudo da Morrow Sodali demonstra que as instituições globais estão mais atentas aos riscos e oportunidades da agenda ESG como estratégia para preservação e geração de valor no longo prazo. Um passo importante nesse contexto, diz a executiva, é o movimento de consolidação de um padrão global para os balanços de sustentabilidade, como o anunciado pelo ISSB, que deve ajudar a trazer objetividade e padronização para os relatórios – tornando comparáveis e mais transparentes as classificações e avaliações de fatores de sustentabilidade. “Desta forma, os bancos devem ser mais eficientes na incorporação dos aspectos ESG nos processos de alocação de recursos, investimentos e concessões de crédito, que, por sua vez, exigirão dos bancos maior integração dos temas socioambientais à estratégia dos negócios e avanço na sofisticação das práticas de governança”, conclui a diretora-geral da Morrow Sodali no Brasil.

Tags

Compartilhe

Série Xiaomi 15 e OnePlus 13 Tendem a Apresentar Sensores de Impressão Digital Ultrassônicos em Tela
Apple é multada pela UE por abuso de poder dominante em caso com o Spotify
Apple é multada em R$ 9,6 bilhões por práticas anticompetitivas na App Store
Epic Games não foi hackeada, admite grupo de ransomware
Claude 3: Anthropic anuncia IA generativa que supera GPT-4 e Gemini Ultra
Irmãos Sun: Netflix cancela série aclamada com atriz vencedora do Oscar
Telefonia móvel avança em janeiro com 1 milhão de novos acessos 5G
OCDE: Aplicar regulação às plataformas não precisa ser papel de um único órgão
Conflitos no Mar Vermelho podem afetar tráfego de internet global
Vanessa Copetti, da Anatel, apresentará workshop da 5G Americas sobre 5G e cibersegurança