Pesquisa revela as prioridades dos provedores de serviços de comunicação

A A10 Networks publicou uma pesquisa intitulada Global Communication Service Providers: Market Growth Fuels Security Investments, para identificar como os provedores de serviços de comunicação (CSPs) em todo o mundo estão evoluindo à medida que expandem os serviços e a infraestrutura em resposta às mudanças na demanda dos clientes e à evolução tecnológica.

Conduzido pela organização de pesquisa independente Opinion Matters com 2.750 profissionais sênior de TI de CSPs em 11 regiões*, o estudo revelou expectativas quase universais de crescimento robusto do tráfego de rede, com 66% acreditando que ele aumentará de 50 a 100% nos próximos 2 a 3 anos. Isso está levando a uma série de ações, que incluem: investimentos em segurança de rede, expansão da infraestrutura para atender às necessidades de comunidades carentes e diversificação para novos mercados e serviços.

Os CSPs do Brasil e do México ouvidos na pesquisa concordam que os volumes de tráfego de rede devem seguir a tendência de alta. Todos os entrevistados esperam que os volumes de tráfego aumentem até 2026, de acordo com o alinhamento mundial, com 15% afirmando que os volumes aumentarão entre 75% e 100%. O aumento médio esperado é de 59%.

O estudo também explorou como os CSPs são afetados pelas principais tendências do mercado, como a adoção da nuvem pelos clientes e a transição para o IPv6. Embora a maioria tenha visto benefícios positivos em relação à nuvem, a mudança do IPv4 para o IPv6 está progredindo de forma menos suave.

Ivan Marzariolli, country manager Brasil da A10 Networks, explica: “Apesar da incerteza econômica, a conectividade digital é tão fundamental para a resiliência e a recuperação que os CSPs esperam que o forte crescimento observado nos últimos anos continue. Isso está criando tanto a urgência quanto a confiança entre os CSPs para realizar grandes projetos de investimentos em infraestrutura e tecnologia. Ao fazer isso, nossa pesquisa mostra que eles estão se tornando mais sofisticados na forma como abordam a segurança da rede, mas ainda há desafios com a transição para o IPv6.”

Os provedores estão trabalhando para acabar com a exclusão digital

Uma das principais áreas de investimento dos CSPs é a expansão de suas redes para alcançar comunidades não atendidas ou desassistidas. Fornecer conectividade segura e confiável as áreas de difícil acesso ou anteriormente inviáveis economicamente é fundamental para reduzir a desigualdade. Portanto, é positivo que 69% dos entrevistados estejam expandindo suas redes para comunidades não atendidas/subatendidas. Entre eles, metade espera obter um aumento de mais de 10% em relação à sua base de assinantes atual e 19% estão expandindo para um aumento de mais de 50%.

Com relação aos investimentos para atender às necessidades de comunidades não atendidas/desassistidas no Brasil e México, 56% estão expandindo sua rede para um aumento de mais de 10% da base de assinantes atual, seguindo as tendências mundiais, e 28% estão expandindo sua rede para um aumento de mais de 50%.

Além disso, 31% dos entrevistados – a maioria dos quais era de CSPs de maior porte – disseram que estão planejando construir data centers adicionais e expandir para fornecer capacidade adicional para outros provedores de serviços, sendo que no Brasil e México a intenção da construção de data centers está em 16% das respostas dos entrevistados.

A estratégia de segurança de rede está se tornando mais sofisticada e diversificada

À medida que os CSPs planejam esses projetos de expansão, há sinais de que estão adotando uma abordagem mais abrangente em relação à segurança. Quando a A10 Networks realizou um estudo semelhante em 2021, o investimento em segurança estava fortemente focado em atualizações de firewall. Agora, embora as atualizações de firewall e appliance ainda sejam importantes, os CSPs também estão focados em componentes de defesa da segurança da rede mais abrangentes.

A detecção e o monitoramento de ataques DDoS são uma prioridade para 27%, enquanto 26% estão investindo em serviços de proteção contra ransomware e malware. A mesma porcentagem está buscando automatizar as políticas de segurança e simplificar e integrar soluções pontuais diferentes.

No Brasil e México, os investimentos de segurança de rede de maior prioridade nos próximos 2 a 3 anos serão 26% na automação de políticas de segurança, 23% em depuração de nuvem DDoS, 23% na atualização de firewalls e outros dispositivos de segurança para novas ameaças e aumento do volume de tráfego e 23% – em sistemas simplificados e centralizados de gerenciamento e análise.

Marzariolli acrescentou: “À medida que os CSPs se preparam para o crescimento, elevar sua abordagem em relação à segurança e à conformidade está se tornando cada vez mais essencial para oferecer um serviço de alta qualidade aos clientes e, ao mesmo tempo, garantir a eficiência dos recursos. Estamos observando um interesse crescente em soluções que permitam aos provedores dimensionar rapidamente os sistemas legados sem comprometer a segurança. Isso inclui soluções de IA, aprendizado de máquina e automação que eliminam a carga de gerenciamento e fornecem controle total sobre a rede. Para os provedores em crescimento, isso oferece tranquilidade à medida que os níveis de ameaça aumentam proporcionalmente ao tamanho da rede. Também fornece a visibilidade e a garantia necessárias para atender aos requisitos regulamentares, que nossa pesquisa constatou ser o segundo fator mais comum para o investimento em segurança de rede.”

A migração para a nuvem corporativa está causando um impacto positivo sobre os CSPs

Como os clientes continuam a migrar para a nuvem, os CSPs podem agora avaliar o impacto que isso está causando em seus negócios. Para quase dois terços (63%), o impacto foi positivo. Entre eles, um quarto observou um crescimento direto da receita, um em cada cinco evoluiu para oferecer serviços de nuvem pública e data center gerenciado, e 19% diferenciaram seus serviços e aumentaram sua relevância para os clientes. Apenas 16% dos entrevistados disseram ter perdido receita devido à mudança para a nuvem.

A mudança corporativa para a nuvem teve um impacto positivo na receita de 27% dos CSPs do Brasil e do México, porém ainda existe um núcleo sólido (19%) cujos clientes corporativos preferem permanecer on premise. Nos dois países, 20% dos entrevistados descobriram que seus serviços diferenciados aumentaram sua relevância para os clientes, enquanto 19% evoluíram para oferecer nuvem pública e serviços gerenciados de data center.

A transição para o IPv6 continua sendo um desafio constante

O aumento da demanda irá pressionar cada vez mais os CSPs a superar a escassez de endereços IPv4 fazendo a mudança para o IPv6. No entanto, o estudo mostrou que apenas 30% esperam conseguir isso com sucesso nos próximos dois ou três anos. Em vez disso, mais de um terço está adotando uma estratégia de gerenciar cuidadosamente seus pools de IPv4 e fazer a transição gradual para o IPv6, e 34% pretendem executar as duas ações paralelamente.

Essa abordagem cautelosa pode fazer com que os provedores enfrentem dificuldades no curto prazo, à medida que os endereços IPv4 se tornem mais difíceis de obter.

Oportunidades abundantes devido ao aumento da globalização e do crescimento da demanda

O estudo mostra também que os CSPs se encontram em um ponto crucial, pois pretendem capitalizar a demanda e aproveitar as oportunidades para crescer e diversificar seus negócios. Eles acreditam que a globalização, a oferta de novos serviços, como a depuração de DDoS na nuvem, e o crescimento geral da demanda são as três maiores oportunidades. Para realizar todo o seu potencial, os provedores de serviços precisam dimensionar e proteger suas redes para que a infraestrutura que fornecem seja segura e altamente disponível.

Olhando para o futuro, os provedores do Brasil e do México também vislumbram a oportunidade de oferecer serviços superiores em sua região. Nos dois países, 28% dos entrevistados afirmaram que uma das principais oportunidades é a consolidação do mercado, que levará à redução da concorrência.

Para obter mais informações, incluindo a análise das variações entre os países e regiões pesquisados, faça o download do relatório completo aqui.

Tags

Compartilhe

brasileiros-preferem-se-comunicar-com-marcas-por-meio-de-mensagens-instantaneas
Brasileiros preferem se comunicar com marcas por meio de mensagens instantâneas
procon-faz-consulta-sobre-uso-de-inteligencia-artificial-em-compras-online
Procon faz consulta sobre uso de Inteligência Artificial em compras online
universidades-do-brasil-e-do-reino-unido-vao desenvolver-um-framework-para-seguranca-preventiva
Universidades do Brasil e do Reino Unido vão desenvolver um framework para segurança preventiva
Afinal, o que quer a geração Z?
Ataques de Ransomware: empresas ainda estão sendo “sequestradas virtualmente”
Emulador de PC é barrado da App Store e desenvolvedores contestam decisão
Xbox: jogos com até 95% de desconto para Xbox One e Series S|X
Genética ou estilo de vida? O que importa para viver mais?
selic-continua-em-10,5%-em-decisao-unanime-do-copom
Selic continua em 10,5% em decisão unânime do Copom
corte-alema-pavimenta-caminho-para-o-“fair-share”
Corte alemã pavimenta caminho para o “fair share”