Liga Ventures e PwC lançam mapa sobre a evolução das startups de varejo

A Liga Ventures, com apoio estratégico da PwC Brasil, anuncia o lançamento do relatório que mostra a evolução das startups no segmento varejista no país. Ao todo foram mapeadas 380 RetailTechs que estão ativas e utilizam diferentes tecnologias, como a inteligência artificial e a análise de dados, para automatizar processos, melhorar jornada de compra nas lojas físicas e online e promover inovações tecnológicas para o setor.

O levantamento aponta as principais categorias das Retail Techs, como comunicação e relacionamento com o cliente (11,05%); gerenciamento de loja (7,63%); análise de dados (6,32%); meios de pagamento (6,32); criação/personalização de e-commerce (6,32%); gestão de estoques (4,47%); experiência do cliente (4,47%); sustentabilidade (3,68%); fidelização do cliente (3,42%); lojas autônomas (3,16%); colaboradores (3,16%); e logística (3,16%); chatbots (3,16).

Em relação a investimentos, é possível ver que, após o pico do mercado de venture capital de 2021, o montante aportado em startups do setor voltou a parâmetros mais próximos aos períodos anteriores. Em 2022, foram R$ 902 milhões investidos. O número representa apenas 9% do investido em 2021, mas é um crescimento de 17% em relação a 2020.

O estudo traz também as regiões com maior distribuição de startups ativas. No primeiro lugar do ranking está São Paulo (45,26%); seguido de Santa Catarina (12,89%); Minas Gerais (7,63%); Paraná (7,11%); Rio de Janeiro (7,11%); Rio Grande do Sul (5,53%); Espírito Santo (2,63%); Pernambuco (2,37%); Bahia (1,84%) e Ceará (1,58%).

Outro dado interessante se refere a análise da maturidade das startups mapeadas, onde 40% são emergentes; 28% estão estáveis; 21% são nascentes e 11% delas disruptivas. Já com relação às tecnologias mais aplicadas, destacam-se API (29%); Big Data (16%); Data Analytics (12%); Autoatendimento (9%) e Automação de Processos (7%). Já com relação ao público-alvo, o estudo mostra que 71% das startups têm como foco o mercado B2B.

“O objetivo é sinalizar tendências e discutir como está sendo a aplicação de novas tecnologias, como a inteligência artificial, no segmento varejista. Diante das incertezas macroeconômicas, queremos sanar anseios e dúvidas sobre como aplicar tais tecnologias para trazerem resultados aos negócios e acelerarem a transformação digital. E faremos isso através de um movimento coordenado para vários setores do mercado, através de inteligência, sensibilização e mobilização pró-inovação, chamado de Follow-on”, afirma Guilherme Massa, um dos fundadores da Liga Ventures.

Segundo Massa, o papel com esse estudo “é mostrar as categorias mais defasadas de soluções inovadoras, as dificuldades enfrentadas pelos profissionais do setor e quais as áreas que eles podem atuar mais facilmente, já que esse é um mercado muito promissor”.

Para realizar o estudo foram utilizados dados do mapa de varejo da ferramenta Startup Scanner, plataforma criada pela Liga Ventures, com apoio estratégico da PwC, que identifica e acompanha dados de startups do Brasil e América Latina para que grandes empresas, pesquisadores e empreendedores possam entender as movimentações do mercado e encontrar oportunidades de negócios sinérgicos à sua atuação.

Tags

Compartilhe

IA à solta: como se proteger de golpes de clonagem de voz?
Antracite: conheça a tenebrosa história real que inspirou série da Netflix
Nvidia lança GPUs RTX A400 e A1000 focadas em produtividade e IA
Olimpíadas 2024: saiba como a IA será utilizada durante os jogos de Paris
7 Days to Die: após mais de 10 anos, jogo de sucesso da Steam está saindo do acesso antecipado
Blocos de construção da vida na Terra podem se criar no espaço, diz estudo
Sercomtel terá que explicar à agência mudança no perfil do endividamento
Claro é condenada a indenizar consumidor por cobrança indevida
Motorola apresenta recursos adicionais de IA para o Moto X50 Ultra
Caiu no golpe do Pix? Confira como recuperar o dinheiro